Fundadoras

Madre Rosa Rosato

Madre Rosa Rosato nasceu em Lanciano, no dia 27 de julho de 1858, filha de Salvador e Joana Pasquini, lavradores e proprietários de terra e de casas. É a terceira de dez filhos. Entra efetivamente na Pia União  em 26 de dezembro de 1884.

Madre Rosa Rosato

Ela é a primeira superiora da nova família religiosa, fundada em Roma, e em 1911 com a celebração do primeiro capítulo geral, os superiores eclesiásticosreconhecem sua honestidade profunda e gentileza, humildade e dedicação e a nomeiam como primeira Superiora Geral. Em tempos bons e em circunstâncias difíceis, ela conduz o Instituto, sem poupar esforços, com a sabedoria que vem do Tabernáculo.

Em muitas circunstâncias do período da fundação, ela revela uma capacidade de formação exemplar, profunda espiritualidade e constante empenho nas obras específicas do Instituto. Sempre presente e atenta a cada pessoa e situação, vive em uma profunda unidade de vida. Com a mudança de acontecimentos ao longo do tempo, na sucessão de mandatos, livre dos encargos, ela volta a dar  continuidade ao atendimento aos enfermos em domicílio e a  catequese às crianças e adolescentes. Enfraquecida fisicamente, ocupa o seu tempo na oração. A sua imagem lembra os grandes contemplativos: sempre presente na Adoração eucarística, com o terço na mão e com o olhar no crucifixo, do qual contempla a Paixão. Associa-se aos sentimentos de Maria, que ama com grande veneração, sob o título de N. Senhora das Dores.

Falece no dia 14 de maio de 1940, na mais profunda serenidade.

Madre Rosa D’Ovidio

Madre Rosa D’Ovidio nasceu em Lanciano, no dia 27 de junho de 1857, filha de Pasquale e Angélica Salvadori. A família D’Ovidio habitava no bairro Civitanova e vivia com coerência os deveres da vida cristã. O pai exerceu o trabalho de tecelão do cânhamo ajudado pela esposa, nos momentos livres das atividades domésticas.

Aos 29 anos, entra na Pia União, professa os seus votos temporários, no dia 6 de janeiro de 1888 e logo é enviada a fazer parte da comunidade de Roma.

Em 1892 é nomeada superiora da casa de Roma. Encorajada pela autoridade eclesiástica, em dezembro de 1896, com algumas coirmãs, parte para uma nova fundação em Pola, onde será bem acolhida, pois na cidade não existem outras instituições femininas. O Bispo da Diocese é muito benevolente para com ela, admira seu espírito bom, a perspicácia, o empreendimento, a firmeza, sobretudo a consciência do próprio papel na Congregação. Com a ajuda, a coragem e o zelo das coirmãs, realiza a construção da casa dos Sagrados Corações que funcionará como colégio interno, o orfanato e a Igreja adjacente, dedicada ao Coração de Jesus. Por toda a vida realiza a sua ação em Pola, dedica-se na construção de novas obras e casas também em cidades vizinhas. Quando as suas forças físicas já desgastadas, não lhe permitem mais as atividades apostólicas; estabelece-se na Casa de Repouso “Seppi”, onde as coirmãs prestam serviço às pessoas idosas. Transcorre o tempo na oração assídua e pequenos serviços.

Assistida pelas coirmãs, falece serenamente no dia 27 de fevereiro de 1930.

Questo sito o gli strumenti terzi da questo utilizzati si avvalgono di cookie necessari al funzionamento ed utili alle finalità illustrate nella cookie policy. Se vuoi saperne di più consulta la nostra Informativa. Cliccando su Approvo acconsenti all’uso dei cookie. Maggiori Info | Approvo
x
L'Istituto Sacri Cuori di Gesù e Maria augura a tutti voi ..
.. un Buon Natale ed un felice anno nuovo!!!